História Marroquina

História e Cronograma do Marrocos

 

• Introdução
• Origem do Nome
• História Antiga
• A Chegada dos Árabes
• Dinastias Islâmicas
• História do Marrocos

- O Paleolítico Médio
- O Paleolítico Superior
- O Neolítico
- A Idade dos Metais
- Antigas Civilizações
- Os Fenícios
- Período Púnico
- Período Mauritano
- A Época Romana
• Dependência e Modernização
• O Reino de Mohammed VI
• A Conquista Muçulmana
• As Dinastias Islâmicas

- Os Idríssidas
- Os Almorávidas
- Os Almóadas
- Os Mérinides
- Os Saadianos
- Os Alauítas
• Cronograma da História de Marrocos

 

 

Introdução

Terra de todos os sons e cheiros, Marrocos e uma experiência verdadeiramente sensorial. A medina de Fez, a cidade imperial de Meknés, as Souks (feiras) de Marrakech, a cidade azul de Chefchaouen, nas montanhas do Rif, o Alto Atlas, a garganta de Todra e o vale de Dra, a pitoresca cidade costeira de Asilah, Essaouira, as ruínas romanas de Volubilis, Merzouga e as dunas de Erg Chebbi, ou o Ksar de Ait Bnhaddou – motivos de sobra para que você vivencie Marrocos.

 

Marrocos é um país rico em história. Antes dos berberes, cartagineses, romanos, vândalos, bizantinos, o país foi habitado por homens que deixaram as suas marcas pintadas nas paredes das rochas do Atlas.

 

Marrocos é um território vasto e variado, unido há relativamente pouco tempo a um estado-nação moderno. Sua longa história registra uma luta pela ascensão entre as tribos berberes das montanhas e os árabes das planícies, a ascensão e queda de dinastias poderosas, a criação e o colapso de poderosos impérios e, a partir do século XVIII, manipulação e exploração pelos europeus poderes que procuram expandir seus impérios.

 

 

Origem do Nome

O próprio nome "Marrocos" surge, presumivelmente, durante a dinastia que governou o país entre 1554-1659. Este nome é o resultado da contracção do nome da cidade de Marraquexe, a principal das suas capitais.

 

 

História Antiga

Os fenícios foram os primeiros a explorar esta terra ocidental, montando um posto comercial em Liks (Lixus), na costa marroquina por volta de 1000 aC. Nos séculos seguintes, eles e seus descendentes, os cartagineses, fundaram postos avançados em Tânger e Essaouira, enquanto também construíam uma cidade no local de Rabat atual. Os comerciantes gregos chamavam os habitantes ferozes dos bárbaros do interior, significando 'não pertencem ao nosso povo', um nome que persistiu ao longo dos tempos como 'berbere' (a palavra em inglês 'bárbaro' tem a mesma raiz).

 

Pouco se sabe sobre os primeiros berberes, até que suas terras se tornaram parte do Império Romano. Os romanos construíram importantes centros de assentamento, incluindo Volubilis, cujos restos hoje são os mais impressionantes de Marrocos desde então.

 

 

A chegada dos Árabes

Os árabes chegaram a Marrocos em três vagas: os conquistadores dos séculos VII-VIII, os do século XII, da etnia Beni Hilal com origem na Arábia e finalmente os grupos dos séculos XII-XIV, liderados pela etnia Beni Maqil. Estes três grandes grupos dividiram-se naturalmente em muitas tribos.

 

 

Dinastias Islâmicas

Nos séculos 7 e 8, os árabes introduziram o Islã no Marrocos, e as grandes dinastias árabes começaram a dominar vastas áreas do Magrebe e da Espanha.

 

Um dos muitos sultões notáveis ​​foi Moulay Ismail, cujo reinado de 55 anos (1672-1727) foi um dos mais longos e brutais da história marroquina. Ele era um megalomaníaco cruel e desleixado, com a reputação de ter um harém de 500 mulheres e ter mais de 700 filhos. A cidade imperial de Meknes foi seu grande projeto, e milhares morreram na construção de seus palácios e arcos triunfais.

 

 

História do Marrocos

O verdadeiro início da história de Marrocos regista-se com o Islamismo que, além de permitir a criação de um Estado, introduziu a língua árabe, a língua da religião e, automaticamente, o instrumento de comunicação e cultura. O Marrocos foi rapidamente convertido ao islamismo, no entanto, muito mais tarde foi arabizado.

 

O fundador da nação marroquina, Idriss I, conseguiu formar um estado independente dos dois pólos mais importantes do mundo muçulmano da altura, Bagdad e Córdoba. A unidade nacional entre os dois componentes humanos de Marrocos foi simbolicamente selada quando Idriss casou com Kenza, a filha do chefe berbere, que vivia na região Oualili (Volubilis).

 

Em 809, o seu filho Idriss II criou a primeira capital de Marrocos em Fez, onde foi construída a universidade mais antiga do mundo islâmico, a Qaraouyine.

 

No passado, as fronteiras de Marrocos ultrapassavam largamente as atuais, tanto a Leste como a Sul. Desfalcada das suas províncias Subsaarianas durante a partilha colonial, Marrocos recuperou a independência em 1956, tomando posse do Sahara, reafirmando assim a sua unidade nacional.

 

País de identidade plural, Marrocos prepara-se agora para caminhar rumo à modernidade, sem perder a sua alma: árabe, berbere, saraui, africana e ocidental.

 

Para se ter uma idéia o Marrocos tem suas origens em civilizações pré-históricas começando com o período Paleolitico Inferior (Acheulense) cuja civilização em Marrocos é conhecida pelo menos há mais de um milhão de anos. As grandes descobertas que foram feitas deste período situam-se na região de Casablanca Carrière Thomas, Oulad Hamida, Sidi Abderrahman . As ferramentas característica deste período são compostas por seixos, bifaces, cutelos e núcleos.

 

O Paleolítico Médio

O Paleolítico Médio é conhecido em Marrocos, em diversas regiões cuja ocupação se situa entre os 200 mil anos e 30.000 anos antes da era cristã. As ferramentas características deste período são os: raspadores e as setas moustierenses.

 

O Paleolítico Superior

Cerca de 21 mil anos antes da era cristã, desenvolveu-se na região que hoje é Marrocos, a cultura Iberomaurusiana, que é caracterizada principalmente por ferramentas em forma de lâminas e pás geométricas e diversificadas bem como muita indústria óssea. As práticas funerárias desta civilização são bastante avançadas e são na sua maior parte marcadas pela extracção de dentes e pelo uso de corantes nos enterramentos. Entre os locais importantes, que produziram evidências físicas dessa cultura, podemos citar a gruta deTaforalt, na região de Oujda.

 

O Neolítico

O Neolítico é conhecido em Marrocos por volta de 6000 a.C. Esta civilização é caracterizada pelo surgimento da agricultura, do sedentarismo, da domesticação, do fabrico de cerâmica e ainda pela utilização de machados de pedra. Vários sítios mostraram níveis pertencentes a esta cultura, tais como: Kaf Taht el Ghar, Ghar Kahal, Boussaria, as grutas de El Khill e a necrópole de Rouazi Skhirat.

 

A idade dos Metais

Este período é conhecido por volta de 3000 a.C. As características destas civilizações, que se iniciam com o Calcolítico, são principalmente as taças e a cerâmica da Idade do Bronze, incluindo um nível de cerâmica negra documentado em algumas grutas no norte de Marrocos bem como na camada mais baixa de alguns outros sítios arqueológicos.

 

 

Antigas Civilizações

 

Os fenícios

A tradição literária dos relatos de Plínio, o Velho, marca o início da presença fenícia na costa marroquina no final do século XII aC, sendo, Lixusa primeira fundação no Ocidente desta civilização. No entanto, os vestígios arqueológicos da ocupação fenícia não ultrapassam o primeiro terço do século oitavo. Além de Lixus, Mogador, é tida como a ocupação mais ocidental deste período fenício.

 

Recentes pesquisas enriqueceram o mapa de Marrocos nesta época pela descoberta de novos sítios, particularmente na costa do Mediterrâneo.

 

Período Púnico

No século V aC. o explorador cartaginês Hannon empreendeu uma viagem ao longo da costa de Marrocos, durante a qual fundou várias colónias. A influência cartaginesa é sentida através dos ritos funerários e pela difusão da língua púnica. A partir do século III aC, a cidade de Volubilis é governada por um conselho de sufetas (magistrados) a exemplo do que acontecia em Cartago.

 

Período Mauritanano

A primeira menção de um rei mouro remonta à Segunda Guerra Púnica, em 206 aC. quando o rei Baga garantiu ao rei Massinissa uma escolta de 4000 cavaleiros. A história deste reino começa a desenvolver-se no final do segundo século aC com o avanço dos interesses de Roma nesta parte de África. Em 25 aC, Roma colocou o príncipe Juba II como chefe do reino. Após o assassinato do rei Ptolomeu, pelo imperador Calígula em 40 dC, o reino da Mauritânia foi anexado ao Império Romano.

 

A época romana

Após a criação da província da Mauritânia Tingitane, Roma empreendeu um amplo programa de desenvolvimento urbano (Tamuda, Tânger, Zilil, Banasa, Thamusida, Volubilis, Sala...) criando também inúmeros novos centros com presença militar. Naquela época, Marrocos registrou uma significativa abertura económica nas suas rotas comerciais com o Mediterrâneo. Em 285, a administração romana retirou-se da parte sul da província (Loukkos) mantendo apenas dois núcleos: Salé e Mogador. A partir do século V, a província inteira foi evacuada.

 

 

Independência e Modernização

Na “última luta pela África” no início do século XX, Grã-Bretanha, França, Alemanha e Espanha competiram entre si para dominar o Marrocos, uma das poucas partes remanescentes do continente fora do alcance colonial. Com a ocupação do Marrocos pela França e pela Espanha, o ressentimento do domínio estrangeiro durou 40 anos, até a independência do país ser recuperada em 1956.

 

A exaltação sentida pela independência logo deu lugar a rivalidades e insurreições. Após a morte de Hassan II e a coroação de um novo rei jovem, o Marrocos entrou em uma nova era - de esperança e mudança. Hoje, com os efeitos da Primavera Árabe em toda a região, o rei Mohammed VI entende a necessidade de reforma e está sendo elaborada uma nova constituição que visa transferir aproximadamente metade dos poderes do rei a um primeiro ministro eleito pelo povo marroquino.

 

 

O Reinado de Mohammed VI

Quando Muhammad Ben el Hassan foi coroado Mohammed VI em julho de 1999, o Marrocos entrou em uma nova era. O novo rei era jovem, brilhante, moderno e pretendia implementar reformas pioneiras. No início de seu reinado, fiel à sua palavra, ele revisou o mudawana (código jurídico da família), que mudaria fundamentalmente a vida das mulheres marroquinas e, ainda mais extraordinariamente, estabeleceu a Comissão de Equidade e Reconciliação. Ao mesmo tempo, Mohammed VI viu a necessidade de estabelecer laços mais estreitos com o Ocidente, além de aumentar o investimento estrangeiro em Marrocos, particularmente notável na meca turística de Marrakech, que viu um boom na construção de hotéis e resorts turísticos.

 

Treze anos após sua coroação, Mohammed VI continua sendo uma figura popular e muito amada. Entre em qualquer loja, hotel ou restaurante em todo o Marrocos e você verá uma fotografia emoldurada do monarca, vestida com um vestido marroquino real completo ou com um terno Gucci na frente de um de seus muitos carros clássicos. Apesar da óbvia diferença de riqueza entre o rei (a sétima realeza mais rica do mundo) e seu povo, ele ainda é aclamado como "rei dos pobres".

 

Seu reinado foi testado pela ascensão do fundamentalismo islâmico, pela espinhosa questão do Saara Ocidental e por uma onda de mudança de regime durante a Primavera Árabe do norte da África, e quando o Marrocos se move para a segunda década de seu reinado, os olhos não apenas de Marrocos , mas do mundo estão em Mohammed VI.

 

 

A Conquista Muçulmana

O século VII viu a ascensão do Islã na Arábia. Nos primeiros anos, os crentes foram organizados em uma pequena comunidade unida, liderada pelo Profeta Maomé. Em um século da morte de Mohammed em AD632, os exércitos muçulmanos haviam conquistado todo o Oriente Médio, incluindo a Pérsia, todo o norte da África e partes da Espanha e da França.

 

Em 670, o general árabe Oqba ibn Nafi fundou a cidade sagrada de Kairouan na Tunísia. De Kairouan, em 682, Oqba liderou seus exércitos de ataque até a costa atlântica do Marrocos. Ele nomeou a terra al Maghrib al Aqsa, em árabe para "o extremo oeste". Este continua sendo o nome do Marrocos em árabe até hoje.

 

A perspectiva de uma invasão da rica península espanhola fez com que muitos berberes se convertessem ao Islã e se juntassem aos exércitos muçulmanos para levar a bandeira do Islã pelo Mediterrâneo. Pelos próximos seis séculos, a civilização islâmica da Espanha e Marrocos superou qualquer coisa na Europa cristã.

 

Desde a época da conquista muçulmana até a formação de um protetorado no século XX, a história política de Marrocos é a de uma sucessão ininterrupta de dinastias. Depois de consolidar o poder, subjugar os inimigos e construir cidades monumentais, mesquitas e palácios, cada regime sucessivo entrou em decadência, levando ao governo fraco, ao caos político e a lutas amargas, até que uma nova facção entrou em cena para preencher o vácuo de poder.

 

 

As dinastias Islâmicas

 

Os Idríssidas

Ao contrário das províncias e distritos do leste, a islamização de Marrocos não foi fácil e demorou quase meio século (de 647 a 710). Após a conversão da população local, nasceu um sentimento social que defendia, a separação política da tutela dos califas do Oriente. Estas tentativas traduziram-se em 788, no aparecimento da primeira dinastia islâmica de Marrocos, os Idríssidas. O homem que esteve por de trás desta conquista política foi o sherif Idris ibn Abdallah, um descendente do profeta. Escapou do massacre realizado pelos Abássidas após a batalha de Fakh, perto de Meca (786), e estabeleceu-se em Walili (Volubilis). Apoiado pelos Awraba, aos quais se juntaram outras tribos Amazigh, Abdallah começou a criar um verdadeiro reino. Aos poucos conquistou Tamesna (região de Salé) Fazaz (região de Azrou-Aïn Leuh), e Telemcen. O imam Idriss morreu em 791 assassinado por um emissário do califa abássida. O seu filho, Idriss II, nascido dois meses depois, foi formalmente reconhecido com a idade de 12 anos. Muito cedo mostrou afinidades políticas. Fundou a cidade de Fez  e estendeu o seu poder sobre todo o território. Pela primeira vez as tribos Amazigh (berberes) foram unidas sob uma única autoridade muçulmana.

 

Os Almorávidas

O reinado dos Idríssidas não durará muito tempo após a morte do seu fundador. O imponente mas frágil reino será dividido entre o seu filho e os seus sucessores. A dinastia enfraquecida abre uma oportunidade para que as potências regionais da época, os Fatímidas de Ifriqiya e os Omíadas da Andaluzia exerçam a sua autoridade sobre o país. No século XI aparecem em cena os Sanhaja berberes nómadas do distante sul. Ricos e organizados, começaram uma série de expedições em nome da fé, e, chegam mesmo a estabelecer um Estado, cuja capital foi Marraquexe, em 1069. Após a luta entre os governantes muçulmanos das províncias da Andaluzia e da ameaça representada pelos reis cristãos, os Almorávidas, liderados por Yusuf ibn Tachafine, intervieram na Península Ibérica em 1086. Desta forma, uma nova era de relações estreitas entre a Peninsula Ibérica muçulmana abre-se no Magrebe.

 

Os Almóadas

A dinastia almóada teve a sua célula originária na aldeia de Tinmel na parte ocidental do Alto Atlas. É o reformador espiritual Mahdi ibn Toumert que a partir de 1125, começa a organizar um movimento de protesto iniciando uma guerra contra os Almorávidas. Partindo desde as montanhas do Alto Atlas, o grande conquistador Abd al-Ali Ibn Moumen irá começar a conquista de Marrocos a partir de 1130. A conquista durou quase 17 anos até à queda da dinastia dos Almorávidas.  Fizeram a sua capital em Marrakech em 1147 . Com todos os muçulmanos almóadas, a Andaluzia, é unificado pela primeira vez dentro de um único império. Esta unidade promoveu o desenvolvimento de uma grande civilização que é agora considerada como a época dourada do grande Marrocos medieval.

 

Os Mérinides

Berberes originários dos territórios orientais de Marrocos sucederam aos Almóadas em 1269. O legado do seu antecessor foi muito pesado para gerir e manter, e acabaram por concentrar os seus esforços somente no território marroquino. A dinastia governou dois séculos. O fim de seu reinado foi marcado pela fragmentação do país em dois reinos: o de Fez e o de Marraquexe,  por um lado, e a ocupação de lugares estratégicos, por portugueses como, Ceuta 1415, Ksar Seghir 1458, Arzila, Tânger 1471 e Melilla, em 1497.

 

Os Saadianos

A recuperação das terras perdidas e a necessidade de um governo central unificador foram os motivos imperiosos que levaram ao surgimento da dinastia saadiana. Originários do sul de Marrocos, esta dinastia é marcada pela confrontação com os exércitos portugueses de ocupação. Adquiriram assim uma legitimidade que os irá confirmar como uma dinastia em ascenção. Cerca de 1525 conquistam Marraquexe inaugurando uma série de sucessos militares que serão confirmados com a tomada de Fez em 1554. A sua impressionante vitória sobre os portugueses na batalha de Wadi el Makhazine (Batalha dos Três Reis ou Alcacer Quibir) em 1578, ressoou por toda a Europa levando Marrocos a retirar um grande benefício económico. A morte do monarca Ahmed el Mansour em 1603 prenunciou a queda da dinastia devido às lutas fratricidas pelo poder dentro da família.

 

Os Alauítas

O vácuo político deixado pelos saadianos durou quase 60 anos. Durante este período o país foi dividido em pequenas entidades políticas regionais relacionadas entre si como o principado do Tazerwalt Sub. Em 1664 o príncipe Moulay Rachid, lançou uma campanha bem sucedida para a reunificação do país e fundou a dinastia alauíta. O seu reinado durou 50 anos e foi caracterizado pela construção de uma ordem política e social. Depois dele, a dinastia continuou até o protectorado francês instaurado em 1912. Através da luta do rei Mohammed V e do povo marroquino o país conquistou sua independência em 1956. Assim começou uma nova era sob o signo da unificação e de reconstrução do país. A dinastia alauíta ainda reina em Marrocos sob a égide do atual monarca o Rei Mohamed VI.

 

No início do século XX, muitas discordâncias surgiram entre a família Alauita e no Makhzen por causa de problemas de gestão do país, isso criou um período difícil de instabilidade no país. Houve várias potências coloniais que quiseram aproveitar dessas discordâncias como (Alemanha Inglaterra, Espanha, França). Depois de muitos secretas negociações, Marrocos foi compartilhado entre a França e a Espanha. Muitos países poderosos esperavam a caída do Marrocos para conquistar la por causa da sua posição geoestratégica, ela está localizada no norte da áfrica, também ela tem um longo litoral ao longo do Oceano Atlântico e do Mar Mediterrâneo, e tive território do Saara Ocidental como as províncias do sul.

 


Cronograma da história de Marrocos

 

c.1000BC: Marinheiros fenícios constroem postos comerciais ao longo da costa.

Século III a IV: O Império Romano se retira do Marrocos.

682: Conquista muçulmana sob Oqba ibn Nafi.

711: Os mouros lançam sua conquista da Espanha.

788-926: Dinastia Idrissid: Moulay Idriss II funda Fez.

1054-1143: Dinastia almorávida: Marrakech fundada em 1062 por Yusuf ibn Tashfin.

Início do século XII-1248: Dinastia Almohad. Seu império inclui Marrocos, Argélia, Tunísia, Líbia e Espanha.

1248-1465: Dinastia Merinid: a última dinastia berbere.

Século 15: A anarquia reina. Na Espanha, os monarcas católicos Ferdinand e Isabella completam a Reconquista dos mouros: Granada, o último bastião mouro, cai em 1492.

Séculos entre meados do século XVI e meados do século XVII: Dinastia saadiana estabelece sua capital em Marrakech. Portugueses derrotados na Batalha dos Três Reis em 1578. O império se estende ao Mali.

1666: Dinastia Alaouite inaugura reavivamento nacional.

1672: Moulay Ismail constrói sua cidade imperial localizada em Meknes.

1912: Protetorado franco-espanhol estabelecido. Tânger se torna uma zona internacional.

1956: Marrocos concedeu independência.

1961: O rei Hassan II sobe ao trono.

1975: 'Marcha Verde' no Saara espanhol.

1999: O rei Hassan II morre. Seu filho, Mohammed VI, sucede ao trono.

2003: Atentados suicidas em Casablanca matam 41 pessoas.

2004: Mohammed VI instiga uma série de reformas, notadamente no mudawana (direito da família) .2008 A UE concede a Marrocos "status avançado".

2010: O plano 'Vision 2020' do rei é anunciado.

2011: Após a Primavera Árabe, são realizadas manifestações populares em todo o país exigindo reformas na constituição. Uma bomba de unhas detonada na praça principal de Marrakech mata 17 pessoas.

    Por que nós
    • Serviço personalizado

      Monte a viagem dos seus sonhos com a melhor qualidade de serviços e de acordo com seu orçamento..

    • Falamos a sua língua

      A multilingual website offers content in 6 different languages English, Spanish, Portuguese, French, Italian and German

    • Flexibilidade

      Somos flexíveis para realizar alterações no roteiro de sua viagem por motivos de força maior ou outros motivos específicos.

    • Sua segurança

      Um guia turístico profissional sempre à sua disposição em todos os lugares.

    • Serviço de alta qualidade

      Priorizamos a qualidade em todos os serviços por nós prestados.

    • Atendimento ao cliente 24h

      Suporte 24 horas por dia, 7 dias por semana através do chat, e-mail ou telefone.

    • Turismo sustentável

      Consciência e responsabilidade visando o presente e o futuro e gerando empregos para a população local.

    • Pagamento on-line seguro

      O nosso site é protegido pelo sistema de pagamento online Veri Sign Secure, um dos sistemas mais seguros do mundo.

    • Site seguro

      A Memphis Tours trabalha com o McAfee Secure Site para mantê-lo a salvo de fraudes e spyware e para proteger seu cartão de crédito.